terça-feira, 19 de dezembro de 2017

5 DICAS PARA EVITAR A INTOXICAÇÃO ALIMENTAR NAS FÉRIAS!

Nutricionista ensina os cuidados básicos na hora de escolher o local para comer e evitar surpresas desagradáveis ao longo da viagem como a gastroenterocolite

 

 São Paulo, dezembro de 2016 - Verão, férias, viagem. Para muitos, uma combinação perfeita. Mas já que conhecer novos lugares é também experimentar a culinária local, é preciso estar atento às condições de higiene para que uma intoxicação alimentar não comprometa a diversão da família. Nessa época do ano os casos de gastroenterocolite tendem a aumentar. Isso porque a alta temperatura propicia a proliferação de bactérias e vírus como salmonela, estafilococos e rotavírus, quando o alimento não está armazenado e conservado adequadamente.

Segundo a nutricionista do Grupo Hermes Pardini, Clarissa Pedrosa, as toxinfecções podem se manifestar até 36 horas depois que o alimento contaminado foi ingerido e pode durar até 7 dias. A gastroenterite provoca diarreia, vômito, febre e dores abdominais, o que poderia comprometer toda a viagem. ''Por isso, antes de se aventurar a comer em qualquer barriquinha ou ambulante na praia, é bom estar atento a alguns cuidados básicos'', afirma. São eles:

EMBALAGENS: Fique de olho para ver se o produto está sendo vendido na embalagem original. Evite comprar alimentos a granel, que ficam expostos. Principalmente salsicha, presunto, patês, etc. ''Quando estão na embalagem, é possível olhar a data de validade e, assim, saber se o alimento está próprio para o consumo'', afirma Clarissa Pedrosa.

ALIMENTOS CRUS: Eles são os inimigos número um da infecção. Carnes cruas e ovos estão na lista dos itens que mais causam gastroenterocolite. ''Não coma ovo cru ou malcozido. Ele pode estar contaminado pela bactéria salmonela e provocar diarreia aguda'', afirma a nutricionista.

REFRIGERAÇÃO: ''A temperatura em que os alimentos são conservados é essencial para evitar a proliferação de micro-organismos nocivos à saúde'', explica a especialista do Grupo Hermes Pardini. Por isso, aquele famoso espetinho de camarão vendido pelos ambulantes na praia ou queijo coalho podem ser uma cilada. Observe se esses alimentos são armazenados na temperatura adequada e como estão as condições de higiene dos mesmos.

MANIPULAÇÃOA maneira como os alimentos são manipulados também pode provocar contaminação. Fique atento. Veja se a pessoa que está mexendo na comida e preparando é a mesma que está cobrando e colocando a mão no dinheiro. Mesmo que seja um quiosque na praia, veja se o funcionário tem um local para lavar as mãos e se usa luva ao manipular determinados produtos.

PEIXES E CRUSTÁCEOS: São muito consumidos nessa época do ano, principalmente para quem tem como destino o litoral. Mas são alimentos muito sensíveis e que estragam mais rápido do que a carne e o frango. ''Certifique-se do local onde você está consumindo esses alimentos e da maneira como eles são armazenados e preparados'', conclui. 

https://sp.hermespardini.com.br/br/p/420/5-dicas-para-evitar-a-intoxicae-199-e-195-o-alimentar-nas-fe-201-rias-.aspx 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário